terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Condições necessárias e suficientes para produzir conhecimento


Conhecimento e Crença


Por crença entendemos qualquer tipo de convicção. Não é concebível elaborar conhecimento sem que se acredite no que se afirma. Daí que a crença seja condição necessária[1]para o conhecimento.
Por isso considera-se contraditória a seguinte afirmação:

Sei que  a terra é redonda, mas não acredito nisso.
                               

A crença é uma condição necessária na medida em que é um aspecto fundamental para que haja conhecimento, mas não é suficiente porque, além da crença, há outros factores que, em conjunto, são condições necessárias e suficientes.

Conhecimento e Verdade

Como não podemos ficar pelas crenças, temos de procurar outras condições que completem essa crença. Assim, posso acrescentar que a crença, para produzir conhecimento, tem de ser verdadeira. Quando digo que Maria está na praia tenho de ter um conhecimento factivo[2] de que a Maria está na praia. Se simplesmente julgar, erradamente, que Maria está na praia estou a ter uma crença falsa. Portanto, sem verdade não há conhecimento.

Ex: O Ambrósio sabe que o céu é castanho. Esta proposição viola a facticidade do conhecimento e, por isso, é falsa

Mas será a crença verdadeira condição necessária e suficiente para o conhecimento?

Mais uma vez só podemos afirmar que é uma condição necessária. Porquê?

Há situações em que tenho uma pretensa crença verdadeira, mas que só por acaso é verdadeira. Se se perguntar ao aluno Luisão qual a raiz quadrada de 4 e ele responder, sem convicção e certeza, que é 2, estamos perante um acaso. Logo, é necessário algo mais para produzirmos conhecimento. Uma crença verdadeira é quando julgamos que a crença julga a realidade tal como ela é, mas só por si não garante que se alcance o conhecimento

Conhecimento e Justificação

Resulta do que ficou dito que o conhecimento não pode ser consequência do acaso. A crença verdadeira é uma condição necessária mas não suficiente para o conhecimento se processar. Por isso, devemos pressupor que é necessário algo mais; é fundamental, tal como refere Platão em Teeteto, numa justificação.

A justificação é uma condição necessária para o conhecimento. Apresentar as razões para confirmar a veracidade de uma crença é indispensável para produzir conhecimento. Justificar é fazer uma ligação efectiva entre a crença e a realidade.


A justificação pode revestir-se de duas formas:

a)     através de um argumento. Os argumentos justificam afirmações a partir de outras;
b)     Através dos sentidos, ou seja, directamente (se Ambrósio visse a meia cheia de presentes).

Conclusão:


Conhecimento será, então, uma crença verdadeira justificada.

S conhece P se e só se: 1) S acredita em P.
                                      2) P é verdadeira.
                                      3) S tem uma justificação para acreditar em P.



[1] Condição necessária: viver em Portugal é condição necessária para viver em Bragança.

Condição suficiente: viver em Portugal é condição suficiente para viver na Europa.

[2] Dizer que é factivo significa que o conhecimento não pode ser falso